Os melhores vinhos argentinos, segundo cinco enólogos premiados

O jornal Clarín convocou os cinco principais especialistas da vitivinicultura argentina, reconhecidos internacionalmente, para esta seleção. 

Eles escolheram vinhos que marcaram tendência em 2015 e surpreenderam pela autenticidade.

Nessa seleção, os vencedores foram os vinhos elaborados no próspero Valle de Uco, uma região a 80 quilômetros a sudoeste da cidade de Mendoza, com a cordilheira dos Andes e o Cordón del Plata como fundo.

Os três municípios que integram a região, Tunuyán, Tupungato e San Carlos, conseguiram fama mundial pela qualidade de seus produtos.

O pedaço de terra mais elogiado é Gualtallary.

No mundo vitivinícola se começa a comparar o Valle de Uco com o Napa Valley, a região produtora de vinhos na Califórnia que mais turistas recebe nos Estados Unidos, depois dos parques da Disney.

Apenas um vinho se repete na lista e, interessante, ele não é de Mendoza.

Trata-se de Noemia, Malbec, colheita 2013, do vale do Río Negro, na Patagônia.

Esse vinho provém de um vinhedo de 70 anos localizado em Mainque, na Patagônia. Vários dos vinhos citados são destinados ao mercado exportador e uma pequena parte fica na Argentina.

A lista de enólogos foi composta por profissionais de grandes adegas, como Mariano Di Paola (Rutini Wines), Alejandro Vigil (Catena Zapata), Sebastián Zuccardi, (Familia Zuccardi), Pepe Galante (Salentein) e Daniel Pi (Trapiche), e também de pequenas adegas, como os irmãos Michelini (Zorzal Wines) e Lucas Niven.

Os enólogos têm seguidores nas redes sociais, os clientes querem tirar fotografias com eles e assinam autógrafos em cada garrafa. Em privado, eles mantêm uma espécie de confraria e organizam jantares e degustações para experimentarem seus vinhos, trocar ideias e comparar resultados.

“Todos esses vinhos falam do lugar, mostram a identidade de cada um dos terrenos de onde eles provêm”, diz Zuccardi. O resultado ficou refletido no relatório 2015 do guru do consumo de vinho, Robert Parker, que qualificou 403 vinhos argentinos com pontuações superiores a 90, quase chegando à excelência, que é de 100 pontos.

Recomendados por Marcelo Pelleriti (Bodega Monteviejo – Peleritti Wines)

Angélica Zapata Chardonnay (2012)

Elaborado com uvas brancas dos vinhedos da vinícola Adrianna de Gualtallary, Tupugato, Mendoza. “Com dias ensolarados e cálidos, e noites frescas no sopé do Cordón del Plata, as uvas de Chardonnay adquirem uma maturidade plena e bem balanceada”, diz o enólogo Alejandro Vigil. Disponível em Winery colheita 2012. Preço: 421 pesos.

Escarlata Malbec (2013)

Elaborado pela enóloga Gabriela Celeste, diretora da Eno Rolland. “O conceito é engarrafar o melhor de cada ano”, diz a criadora. Vinhedos situados em Vista Flores e Eigenio Bustos, no Valle de Uco. Um vinho 100% Malbec que expressa a identidade do varietal e da terra: cor intensa, fruta fresca e potência. Preço: 400 pesos.

El Enemigo Malbec (2011)

Um corte de 89% Malbec, 6% Cabernet Franc e 5% Petit Verdot, com uvas de Gualtallary, Tupungato. “O conceito é voltar a fazer os vinhos como eram feitos antigamente”, diz o enólogo da Catena Zapata, Alejandro Vigil. Ele diz que esse vinho surgiu da conversa com Adrianna Catena, a filha caçula de Nicolás Catena, e sua sócia no projeto. Preço: 471 pesos.

Alambrado Bonarda (2013)

Elaborado pela Bodega Santa Julia, da Família Zuccardi. Um vinho de aromas muito frutados, com taninos amáveis e acidez refrescante. A Bonarda é a segunda cepa tinta mais importante da Argentina. “É uma variedade de grande adaptação ao nosso clima e aos nossos solos, amplamente difundida nas zonas de menor altura de Mendoza (Zona Leste), mas é encontrada em toda a província”, diz o enólogo Sebastián Zuccardi. Preço: 115 pesos.

Marcelo Pelleriti Reserva Malbec (2012)

“Adoro os vinhos intensos, mas que conservam a elegância”, diz o enólogo e músico Marcelo Pelleriti. Esse vinho tem notas de fruta vermelha bem madura, acompanhadas de baunilha, aroma torrado e algo de especiarias. Preço: 200 pesos.

Recomendados por Alejandro Vigil (Catena Zapata – El Enemigo)

Pala Corazón Malbec Gualtallary (2014)

Surgido de um projeto familiar e pessoal, este novo vinho provém dos vinhedos da adega Niven Wines, localizada em Junín, zona leste de Mendoza. O jovem enólogo Lucas Niven conseguiu com esse vinho 93 pontos Parker na última edição da prestigiosa revista Wine Advocate. Preço: 150 pesos.

Eggo Filoso Pinot (2014)

Um vinho de Juan Pablo Michelini, com o assessoramento de Matías Michelin, seu irmão. Com uvas de Gualtallary, Tupungato, Mendoza. 100% Pinot Noir. Elaborado por Zorzal Wines. Preço: 265 pesos.

LindaFlor Malbec (2013)

Do enólogo Marcelo Pelleriti, elaborado da forma em que ele produz seu Chateau La Violette en Pomerol, um vinho com o qual ele foi o primeiro argentino a receber 100 pontos Parker, que é como ganhar o Oscar dos vinhos. Preço: 394 pesos.

Noemia Malbec (2013)

Elaborado pela Bodega Noemía 2013 é 100% Malbec. Foram produzidas apenas 5.500 garrafas. Os vinhedos estão situados no Valle do Río Negro. A harmonização clássica é com cordeiro. Preço: 1.830 pesos.

Adrianna Mundus Bacillus Malbec (2012)

Um vinho de Catena Zapata destinado à exportação. É um Malbec potente, que também é mineral, terroso e floral. Preço: 1.600 pesos.

Recomendados por Mariano Di Paola (Rutini Wines)

Black Tears. Malbec (2011)

Trata-se de um vinho ultra-premium de edição limitada elaborado com uvas Malbec provenientes de um vinhedo localizado em San Pablo, em Tupungato, a 1.350 metros de altura sobre o nível do mar.

Antología 34 Pinot Noir (2010)

Elaborado 100% com Pinot Noir de um vinhedo de sete anos em Altamira, no Valle de Uco. Integra uma remessa exclusiva de 5.680 garrafas numeradas. Tem uma criação de 18 meses em carvalho 100% francês novo. Preço: 1.020 pesos.

Trapiche Terroir series Coletto Malbec (2011)

Vinho elaborado com uvas Malbec da zona do Peral, em Tupungato. Provém de um vinhedo tradicional do Valle de Uco, plantado em 1945. Preço: 600 pesos.

Primogénito Sangre Azul Merlot (2014)

Um varietal 100% Merlot com uvas provenientes de vinhedos localizados na zona de San Patricio del Chañar, em Neuquén. O vinho passa 12 meses em barris de carvalho francês de primeiro e segundo uso e oito meses de estiva.

Aluvional Zuccardi Malbec (2013)

Origem La Consulta, Mendoza. 100% Malbec. “Nessa categoria procuramos mostrar diversos lugares através do melhor veículo, que é o Malbec. Esse vinho em particular vem de nossas vinícolas em Paraje Altamira, Mendoza”, diz o enólogo Sebastián Zuccardi. Preço: 915 pesos.

Recomendados por Sebastián Zuccardi (Zuccardi)

Per Se La Craie (2013)

Um blend (65% Malbec, 35% Cabernet Franc). Foram elaboradas 800 garrafas. As uvas provêm de vinhedos de Gualtallary, em Tupungato.

Superuco Calcáreo de Granito (2013)

Vinho 100% Malbec também proveniente de Tupungato. Produzidas apenas 3.000 garrafas.

Altos Las Hormigas Gualtallary Appellation (2013)

A totalidade desse Malbec deriva de vinhedos de Gualtallary. As uvas passam por um duplo processo de seleção. O vinho madura 19 meses em barril e 12 meses em garrafa.

Noemia Malbec (2013)

Elaborado pela Bodega Noemia 2013, é 100% Malbec. Só foram produzidas 5.500 garrafas. Os vinhedos estão situados no Valle do Río Negro. A harmonização clássica é com cordeiro. Preço: 1.830 pesos.

Zuccardi Concreto (2014)

É um vinho 100% Malbec fermentado e criado em piscinas de concreto, de onde vem seu nome. Sua origem está em uma seleção de solos calcários de Paraje Altamira, Mendoza. Preço: 415 pesos.

Recomendados por Andrea Marchiori (Viña Cobos)

Teho Malbec, Tomal Vineyard (2011)

Elaborado por Jeff Mausbach e Alejandro Sejanovich. Um single vineyard que surge de um desenvolvimento muito intelectual do vinhedo. Teho significa “sangue da terra”. Esse vinho representa a essência dos antigos vinhedos do Malbec, em um vinhedo plantado há mais de 75 anos em La Consulta, Mendoza. Preço: 560 pesos.

Salentein Single Vineyard Pinot Noir Plot (2013)

Um varietal 100% Pinot Noire, elaborado com uvas de Tunuyán. O enólogo José Galante conseguiu um vinho intenso e complexo em seus aromas, delicado na boca por sua acidez natural, e prolongado e refrescante. Preço: 510 pesos.

Abremundos Página 1 (2012)

Um corte de Cabernet Franc e Malbec, elaborado por Marcelo Pelleriti, junto com o músico Pedro Aznar. É um jogo criativo que demonstrou resultados excelentes na crítica internacional. Preço: 2.100 pesos.

Susana Balbo Barrel Fermented Torrontés (2014)

Com uvas do Valle de Uco, Mendoza. Esse Torrontés é fermentado durante três meses em barris de primeiro uso de carvalho francês. Um vinho que reflete os delicados aromas florais dessa cepa, com exóticas características frutais, toques de lima fresca e notas de baunilha e mel selvagem. Elaborado pela agora deputada do PRO, Susana Balbo. Preço: 290 pesos.

Cobos Volturno Marchiori Vineyard (2012)

Uma homenagem a Don Nico Volturno Marchiori, pai de Andrea – sócia fundadora da Viña Cobos, junto com Luis Barraud e o norte-americano Paul Hobbs – e grande impulsor da Viña Cobos. Esse blend tem como base Cabernet Sauvignon que se complementa com Malbec, proveniente de dois blocos únicos do vinhedo Marchiori, em Perdriel, Luján de Cuyo. Preço: 2.500 pesos.

Fonte Original: http://www.clarin.com/br/melhores-argentinos-segundo-enologos-premiados_0_1495650692.html
Por: Roxana Badaloni, da província de Mendoza
Colaboração: Federico Brusotti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *